Bolsonaro lamenta que sargento com cocaína não tenha sido detido na Indonésia para ‘ter o mesmo destino’ de brasileiro fuzilado

0
7

Bolsonaro aparece de terno e em pé na frente de fundo brancoDireito de imagem
LUDOVIC MARIN/AFP/Getty Images

Image caption

Bolsonaro assegurou que, no avião presidencial, todas as bagagens são amplamente revistadas, inclusive as dele

Durante entrevista coletiva na cúpula do G20, no Japão, o presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (29, no horário local) que “lamenta” que o sargento da Força Aérea (FAB) encontrado com 39 quilos de cocaína não tenha sido detido na Indonésia, onde o crime de tráfico de drogas é punido com pena de morte.

Lançamento

O sargento da FAB integrava uma comitiva de 21 militares que partiu de Brasília com destino a Tóquio, no Japão, e fez escala no aeroporto de Sevilha, no sul da Espanha. O avião dava suporte à comitiva do presidente da República.

“Aquele elemento traiu a confiança. Pena que não foi na Indonésia, para ter o mesmo destino que o Archer teve no passado”, afirmou, em referência ao brasileiro Marcelo Archer, executado por fuzilamento na Indonésia em 2015.

O instrutor de voo livre havia sido preso em 2004, ao tentar entrar no país asiático com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta.

A detenção do militar brasileiro ocorreu na última quarta (26) durante um controle aduaneiro de rotina em solo espanhol. O avião da FAB é um modelo Embraer 190, do Grupo Especial de Transporte da FAB.

Bolsonaro destacou que, no caso do avião presidencial, todas as bagagens são amplamente revistadas, inclusive as do presidente da República.

“Até para evitar que coloquem algo aí. Pode ser droga, mas poderia ser uma bomba”, disse.

Segundo o presidente, o sargento se aproveitou do fato de ser um dos comissários de bordo para chegar muito antes do embarque e inserir a cocaína no avião.

De acordo com a Guarda Civil, força da polícia espanhola responsável pelo controle aduaneiro, a droga estava dividida em 37 pacotes dentro da bagagem de mão do militar M. S. R., 38 anos, casado. Ele é segundo-sargento da Aeronáutica.

‘Minha mulher que manda dentro de casa’

Na coletiva, Bolsonaro também foi perguntado sobre como seria a sua participação no painel do G20 acerca do empoderamento das mulheres.

Ele respondeu dizendo que “ama” as mulheres e que é a esposa dele é quem “manda dentro de casa”.

Direito de imagem
Brendan Smialowski / AFP

Image caption

Presidente brasileiro participa de cúpula do G20 no Japão

“Ninguém manda mais na minha casa que a minha esposa. Nos gestos e palavras. Sem problema nenhum, eu sou apaixonado por vocês”.

Ele emendou dizendo que “respeita” os homossexuais, mas que só homem e mulher têm filhos e que não existe um “terceiro sexo”.

“Mesmo os homossexuais nasceram de uma mulher. Por enquanto, não sei que conseguiram engravidar homem. Não tem um terceiro sexo. Tem que respeitar isso daí. Mas nós respeitamos quem tem esse comportamento”, disse.

“Pode ter homossexual aqui do meu lado”, disse.

Nesse momento, alguns assessores se afastaram de Bolsonaro, querendo indicar que não seriam eles os homossexuais.

“Eu sou apaixonado por vocês (mulheres). Você acha que eu iria com esse cara aqui? Nem com você, negão”, falou, apontando para o deputado federal Hélio Bolsonaro (PSL-RJ).

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!